PF combate organização criminosa que planejava ataques de dentro de presídio federal

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira duas operações com o objetivo de desarticular organização criminosa que atuava de dentro da Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia, coordenando ações a serem realizadas em diversos Estados, informou a PF.

As operações “Pé de Borracha” e “Morada do Sol”, realizadas em conjunto com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), foram deflagradas após apreensão de bilhetes de líderes de uma facção criminosa presos em unidade de segurança máxima repassando ordens durante visitas sociais, disse a PF em nota.

Como parte das operações foram emitidos três mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão, sendo três em celas da penitenciária e um em um imóvel em Porto Velho. Os investigados também passarão a um regime disciplinar diferenciado, com proibição de visitas intimas, acrescentou a Polícia Federal, diz o MSN.

“Os repasses de bilhetes se davam através de celas vizinhas por meio de ‘terezas’, pequenas cordas criadas a partir de fios retirados de roupas”, disse a Polícia Federal, acrescentando que identificou dois planos criminosos sendo planejados por meio dos bilhetes.

Um dos planos, objeto da operação Morada do Sol, consistia no sequestro, tortura e assassinato de agentes públicos para pressionar o governo e o Supremo Tribunal Federal (STF) a reestabelecer as visitas íntimas nas penitenciárias federais, suspensas desde julho do ano passado, segundo a PF.

“A facção criminosa já havia realizado o levantamento da rotina e atividade de diversos servidores públicos fora do ambiente de trabalho para serem sequestrados e/ou assassinados em seus momentos de folga”, acrescentou.

O segundo plano ameaçava usar explosivos contra uma unidade do Sistema Penitenciário Federal caso determinadas reivindicações não fossem atendidas.

11/10/2018